Para Roberto Jefferson, caixa dois continua em alta

Leia abaixo entrevista com o Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, publicada pelo jornal Valor Econômico nesta segunda-feira (21/6):

Ex-deputado, 56 anos, advogado, cantor amador e motociclista, como se define em seu blog, Roberto Jefferson vê em 2010 a repetição dos vícios na arrecadação eleitoral que marcaram 2002. O caixa dois, uma das fontes de financiamento do mensalão, continua em alta nas campanhas, segundo Jefferson, presidente do PTB. A repressão à doação ilegal, diz, ainda não conseguiu impedir o repasse informal de recursos.

Autor da denúncia do mensalão, esquema de compra de apoio político pelo governo federal, Jefferson não poupa críticas à candidata petista à sucessão presidencial, Dilma Rousseff. Na sexta-feira, o PTB formalizou em convenção nacional apoio a José Serra (PSDB) e indicou Benito Gama a vice na chapa. Ressentido com o PT e com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Jefferson acredita que o tucano terá menos dificuldade que Dilma na relação com o Legislativo e analisa que o PMDB não fará "oposição raivosa" a Serra.

O presidente do PTB aposta no crescimento da bancada na Câmara, dos 22 deputados para 30 ou 35. No Senado, espera emplacar Romeu Tuma (SP), Armando Monteiro (PE) e Luiz Francisco Corrêa Barbosa (RS). Nos Estados, acredita na vitória do ex-presidente e senador Fernando Collor de Mello em Alagoas, Lucas Barreto no Amapá e João Vicente Claudino no Piauí.

Jefferson pretende concorrer a um cargo em 2018. Seus direitos políticos foram cassados até 2016.

Na convenção nacional do partido, entre fotos, apertos de mão e gargarejos para melhorar a voz, o presidente do PTB falou com o Valor, em São Paulo.

Valor: O senhor vê alguma alteração no sistema de arrecadação de recursos e no uso do caixa dois desde 2002?
Roberto Jefferson: Não vou dizer que caixa dois seja corrupção. A Justiça está querendo expor tanto as vísceras dos doadores, como se fossem bandidos, que ninguém quer doar por dentro. Empresário tem medo, tem pânico de doar para quem é contra o PT. Porque vai lá a Polícia Federal, vai lá Receita Federal, o Ministério do Trabalho, o Ministério da Previdência. E quem é que resiste a isso? Quem de nós não tem pecado? Quem do empresariado nacional não tem um probleminha trabalhista, ou um probleminha fiscal, quem não sonega alguma coisa? Agora até a Receita vai ouvir segredos de pessoas... Tem que proteger o doador, não eviscerar. Se eviscerar, transformar o doador num possível corruptor, vai continuar essa bagunça.

Valor: Não houve mudança no uso do caixa dois pelos candidatos?
Jefferson: É uma especulação, mas que vai existir, vai existir. Os empresários têm medo de doar. O governador autoritário mete lá a fiscalização do ICMS contra o empresário. É o que está havendo. As ameaças estão claras contra os empresários. Eles têm medo de doar e de ficar expostos a essa violência. Há doações "por dentro" - alguns têm coragem de fazer isso. Mas não podem escolher o lado. Têm de dar para os dois (candidatos). É uma maneira de equilibrar.

Valor:
E a doação por fora?
Jefferson: Estou afastado das eleições, não vou receber financiamentos. Por ouvir dizer... Por ouvir dizer que está havendo também [doações por fora]. Não sei a quantidade.

Valor: O mensalão, financiado em parte pelo caixa dois, foi um esquema de compra de apoio político no Legislativo. Como deve ser a relação do próximo presidente com o Congresso? Que dificuldades persistem?
Jefferson: Serra vai ter uma relação digna. O PT joga na ilegalidade, quer qualquer apoio, a qualquer preço e de qualquer maneira. A Dilma não terá o apoio que Lula tem do povo. O PT vai corromper mais o Congresso para ter apoio, porque ela (Dilma) é frágil. Dilma não tem paciência para conversar política, ela não conhece o problema político. Vai perder rápido a base parlamentar e o povo e aí vai recorrer à polícia. Quem não tem povo se apoia na polícia.

Valor: Serra disputa a Presidência com um leque de alianças semelhante ao que o Lula teve em 2002, com partidos como o PTB ao lado, mas sem o PMDB e sem maioria no Legislativo. Se vencer, como enfrentará o Congresso?
Jefferson: A posição de Serra é muito mais democrática. Ele permeia bem o PMDB. Lula tinha uma postura ideológica muito agressiva, de esquerda, que hoje está sendo praticada na coxia, no pé da escada. Era um discurso pesado, raivoso do PT naquela época, que afastava os partidos mais moderados como o PMDB, o DEM e o próprio PTB. O Serra não tem esse discurso raivoso. Ele não se entrega assim de maneira tão desabrida, tão apaixonada pelo poder, pelo poder de qualquer maneira. Vai ter facilidade de governar porque o PMDB não fará oposição a ele.

Valor: Mesmo o PMDB tendo a participação que tem hoje no governo Lula e indicando o vice de Dilma?
Jefferson: Vai ser construído um novo governo. Esse quadro é um quadro de eleição. O PMDB não é um partido ideológico que possa fazer uma oposição raivosa ao governo de Serra. Não existe isso.

Valor: Se vencer, Serra pode ficar mais dependente do PMDB no Congresso do que Dilma, já que o partido não está na chapa, como foi no primeiro mandato de Lula?
Jefferson: Não. Como o partido terá perdido a eleição, vai ter um pouco de pudor. É como viuvez. A viúva pode até casar de novo, mas tem uma fase de viuvez, o luto. Vai passar o luto, vai dar apoio à governabilidade. A conversa avançará pelo segundo ano de governo.

Valor: É possível a reedição de um esquema como o mensalão?
Jefferson: Não existe mais isso, como era, toma-lá-dá-cá, toma " trintão " por mês, vem votar comigo. Acabou. No Congresso não há mais isso.

Valor: Como deve ser a relação do PTB com Serra? O que foi negociado?
Jefferson: O compromisso que temos de tirar com Serra é uma mudança na legislação da medida provisória. O Congresso está virando um valhacouto de vagabundos porque a instituição está de joelhos. O Congresso não legisla mais. Ou ele (o presidente) homologa medida provisória ou toma decisão na Justiça como se lei fosse. Se você não cumpre o papel institucional que tem, teu espaço é preenchido. E Serra, como passou pelo Congresso, vai saber respeitá-lo e mudar o primeiro problema que leva à corrupção, que é a medida provisória. A sociedade não é chamada a pensar um projeto. Ela já o encontra como lei provisória publicada no Diário Oficial. E os deputados então correm para tentar aproveitar um pouquinho, para enxertar suas coisas. Você não é mais dono do projeto, você vai tentar morder uma beirada dele. Se permanecer será uma vergonha.

Valor: Se Dilma vencer, como ficará o PTB?
Jefferson: O PTB vai à oposição. O projeto político (dela) vai nos levar ao cerceamento da liberdade democrática. Olha os alinhamentos internacionais do país, com bandido, protetor de traficante, produtor de cocaína, com homem que humilha a mulher, com homem como Ahmadinejad (presidente do Irã). E o governo do Brasil diz que esses caras são bons? Vamos enfrentar isso."

Fonte: PTB.org

Programa Jornalismo Alencar entrevista Vereadores do PTB de Vista Alegre do Alto

Entrevista dos vereadores do PTB da cidade de Vista Alegre do Alto ao programa Jornalismo Alencar.
O programa vai ao ar pela Rádio Energia FM 99.1- A Rádio de Monte Alto-SP e Região



Prefeitura de Jaboticabal começa a notificar proprietários de terrenos baldios


A Prefeitura Municipal de Jaboticabal iniciou uma campanha para deixar Jaboticabal ainda mais bonita. Os moradores e proprietários de terrenos localizados no Jardim São Judas I e II, São Marcos I e II, Recreio dos Bandeirantes, Av. Carlos Berchielli e Colina Verde estão sendo notificados, pessoalmente por fiscais municipais,
para que no prazo de até 60 dias façam as calçadas e muretas na frente dos terrenos. Após esse período, a Prefeitura, por meio de uma empresa contratada através de processo licitatório, executará o serviço nos locais e cobrará dos proprietários.
O secretário Municipal de Governo, Dé Berchielli, pede para que os proprietários se antecipem e façam a  calçada e a mureta antes que a Prefeituraexecute o serviço. “Como são muitos os terrenos nessa situação é importante que os proprietários executem a obra com o seu pedreiro de confiança e da maneira que acharem melhor”, afirma Dé.

Calçada Ecológica
O projeto desenvolvido pela  Prefeitura a ser executado nos terrenos é diferente dos habituais. Todas as calçadas feitas serão formadas por uma faixa de concreto e uma de grama esmeralda. O objetivo é evitar a impermeabilização do solo. A lei não especifica a altura da mureta, mas a orientação da Prefeitura é que tenha no mínimo 60 centímetros e uma entrada de 2,80 metros para possibilitar a passagem de trator. O projeto já está disponível para consulta no Departamento de Obras.
A campanha para construção das calçadas e muretas será feita por fases. Após a conclusão dessa primeira etapa, outros bairros da cidade serão atendidos. A prioridade são os locais com grande número de terrenos baldios.

Limpeza de terrenos
A Prefeitura informará aos proprietários de terrenos, via imprensa, para que eles limpem o local. Dé explica que os dois processos são distintos e feitos de maneirasdiferentes. “Os munícipes não podem confundir. Estamos realizando duas operações diferentes. Uma relacionada à limpeza dos terrenos e outra à construção
das calçadas e muretas. Em caso de dúvidas, o melhor é procurar a Secretaria de Planejamento da Prefeitura e se informar a respeito do assunto”.

fonte: Jornal Fonte

Campos Machado oficializa apoio a Tuma, em Sorocaba

“Marquem a data de hoje [deste domingo], dia 23 de maio de 2010. Estou oficializando que o PTB [Partido Trabalhista Brasileiro] tem como principal objetivo garantir a reeleição do nosso atual senador Romeu Tuma.”

Com essa frase, o presidente estadual do PTB, deputado Campos Machado, colocou ponto final fim às especulações dentro do partido para as eleições de 2010. Ele também garantiu que o partido apoiará o tucano Geraldo Alckmin na disputa pelo Governo de São Paulo.

Campos Machado esteve em Sorocaba para participar do evento que marcou a posse da diretoria da União Regional Sudoeste Paulista do PTB, que será presidida pelo vereador de Tietê, Manoel David. Campos chegou acompanhado do senador Romeu Tuma, do ex-secretário Claury e do vice-prefeito de São Bernardo do Campo, Frank Aguiar.

Animado com a campanha, Campos Machado comparou a missão do PTB com a canção de Ivan Lins “Depende de Nós” e garantiu que vem recebendo telefonemas de lideranças covistas que desejam apoiar a candidatura de Romeu Tuma.

Com informações da Rede Bom Dia de Bauru.

Fonte: PTP SP

Campos pede apoio à candidatura de Tuma para o Senado

Lideranças regionais do PTB se reúnem com objetivo de reeleger o senador 
Campos Machado, Romeu Tuma, Alexandre Costa e
Geraldo Alckmin em encontro do PTB em SP

O presidente estadual do PTB de São Paulo, deputado Campos Machado, liderou neste final de semana uma reunião com os presidentes dos 28 escritórios regionais do partido na capital paulista. Participaram da reunião o senador Romeu Tuma, o pré-candidato do PSDB ao governo do Estado, Geraldo Alckmin, e os presidentes dos escritórios regionais do partido.

Durante a reunião de trabalho, Campos deixou claro que o PTB começa a campanha de 2010 legitimando a candidatura do senador Romeu Tuma, independentemente do apoio direto do PSDB. “Nosso primeiro candidato é o Tuma, depois apoiaremos Alckmin e Serra”, enfatizou Campos.

Campos declarou ainda que o apoio aos candidatos majoritários ao governo paulista e presidência é consequência de um trabalho que teve início em 1998, quando o PTB participou ativamente da campanha de Mário Covas. O apoio ao PSDB deverá ser decidido durante a Convenção Nacional do PTB que acontece na segunda quinzena de junho.
No caso de São Paulo, além do cumprimento da decisão da Executiva Nacional, há o engajamento natural na campanha de Alckmin, aliado de outras campanhas e parceiro dos ideais petebistas de longa data.

O escritório regional do PTB de São José do Rio Preto, presidido por Alexandre Costa, irá coordenar a campanha do partido em mais de 150 cidades de nossa região, fomentando a militância partidária em todos os diretórios para seu principal candidato, o senador Romeu Tuma, que disputará a reeleição. “Nosso objetivo maior como petebistas é reeleger Tuma ao Senado”, afirma Alexandre Costa.

Em 2010, o PTB paulista lançará chapa completa para os cargos de deputados, estadual e federal, incluindo a disputa ao Senado. A tendência é de que todos os escritórios regionais do PTB lancem candidaturas próprias.

Da luta contra o preconceito nasce o PTB Diversidade

Criado o 12 º Departamento petebista, o PTB Diversidade significa mais uma vitória contra a discriminação às pessoas com orientação sexual diferente da tradicional.

O PTB Diversidade, inaugurado no dia 06 de maio, pelo deputado estadual Campos Machado, presidente estadual e secretário-geral da executiva nacional do PTB tratará dos direitos e interesses das pessoas ligadas às comunidades GLBT. O evento contou com a participação de 600 pessoas e aconteceu no Bubu Lounge Disco, na rua dos Pinheiros, na zona Sul da capital paulista. Participaram também da mesa de honra: o senador Romeu Tuma; o ex-secretário de Esporte, Lazer e Turismo do Estado de São Paulo, Claury Alves da Silva; a presidente do PTB Mulher paulista, Marlene Machado; o presidente de honra do PTB Diversidade, Léo Áquila; o presidente empossado do PTB Diversidade, Sandro de Oliveira Bonfim, além do proprietário da casa de shows, Roberto Calegari.

O coordenador dos Departamentos petebistas, Mario Graf enfatizou que o partido é o responsável por mudanças radicais no País, como por exemplo, o direito de voto da mulher, a instituição das leis trabalhistas, o 13º salário e tantas outras.

O presidente do novo departamento petebista, Sandro de Oliveira Bonfim, disse que “daqui pra frente terá como missão trabalhar em prol de uma sociedade mais justa, uma sociedade que respeite a liberdade de cada um, para acabar de uma vez por todas com a discriminação existente”.

“A criação deste Departamento constitui passo gigantesco no processo de se acabar com a discriminação que atinge os que têm opção sexual diferenciada, pois a dignidade de todos nós está acima de tudo, e tem que prevalecer”, disse Campos.
Mais este ato do PTB, coloca o partido em sintonia com a sociedade contemporânea.

65 de Anos de PTB - eventos do PTB comemoram o Mês do Trabalhador

Nesse mês de maio, o Partido Trabalhista Brasileiro comemora 65 anos de história. Fundado por Getúlio Vargas em 15 de maio de 1945, a agremiação reuniu a filosofia e a práxis Trabalhistas da década de 30, que emolduraram o Moderno Estado Brasileiro.

Em maio, comemora-se, também, 67 anos da edição da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, arcabouço jurídico que estabeleceu regras claras para a efetiva harmonização das relações entre o Capital e o Trabalho.

O Trabalhismo Brasileiro também foi o responsável por todas as primeiras Leis Ambientais, o direito de Voto da Mulher (1932) e toda a infraestrutura desenvolvimentista: Petrobras, Vale do Rio Doce (atual Vale S.A.), Eletrobras, CSN, BNDES, Ensino Profissionalizante, entre outros.

Mas o Trabalhismo não se resume à Era Vargas. O Partido, que foi o mais perseguido a partir de 64, renasceu no final da década de 70 e é responsável, desde então, pelas maiores conquistas sociais e trabalhistas.

Propôs e aprovou na Constituição de 1988, a elevação da multa do FGTS para 40%, o adicional de 50% nas horas-extras, garantia de, no mínimo, férias com 1/3 a mais do salário, a extensão dos direitos previdenciários às donas de casa e domésticas, jornada de 44 horas, autoaplicabilidade do Artigo 5o. (garantias e direitos individuais do cidadão).

Ainda na década de 80, o Vale-transporte foi aprovado, proposta do ex-senador Affonso Camargo (PTB-PR).

E a marca Trabalhista de transformar a sociedade continua, com a Lei de Mudanças Climáticas nos Municípios paulistas, a Lei dos 40 anos, a defesa permanente dos Aposentados e Pensionistas e pela Inclusão Social e de nova redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais.

E para registrar e comemorar tudo isso, além do vertiginoso crescimento do PTB, diversos eventos serão realizados nesse mês, entre eles:

3/5 - Simpósio sobre Relações do Trabalho (PTB Sindical Sorocaba)
5/5 - Instalação de 11 Departamentos do PTB Santana
6/5 - Lançamento do PTB DIVERSIDADE
10/5 - Oficialização dos Diretórios Distritais Vila Leopoldina e Barra Funda
14/5 - Posse do Diretório Distrital do Tremembé + 10 Departamentos
15/5 - Aniversário do PTB - 65 anos (vários eventos no Estado)
23/5 - Encontro Regional de Vereadores do PTB em Sorocaba
30/5 - Encontro Estadual do PTB MULHER de São Paul

Fonte: PTB.org